Main menu

Skip to content

Google promete US $ 800 milhões aos esforços de assistência e apoio da COVID-19

Enquanto as empresas de tecnologia trabalham para manter seus sistemas em funcionamento e se adaptar aos aumentos maciços na demanda por seus serviços em meio aos bloqueios do COVID-19, elas também procuram ajudar a arrecadar fundos e doar para causas relevantes sempre que possível.

Semana passada, o Google anunciou sua mais recente contribuição, cometendo um pacote de doações no valor de US $ 800 milhões, que será destinado a várias instituições de caridade e apoiará iniciativas para ajudar a diminuir os impactos da pandemia.

Conforme explicado pelo CEO do Google, Sundar Pichai :

” À medida que o surto de coronavírus continua a piorar em todo o mundo, ele está levando um número devastador de vidas e comunidades. Para ajudar a enfrentar alguns desses desafios, hoje anunciamos um novo compromisso de mais de US $ 800 milhões para apoiar pequenas e médias empresas (SMBs), organizações e governos de saúde e profissionais de saúde na linha de frente dessa pandemia global “.

As doações do Google serão direcionadas para várias áreas principais:

  • US $ 250 milhões em doações / créditos de anúncios serão destinados à Organização Mundial da Saúde e a outras agências de saúde para facilitar o fornecimento expandido de informações críticas sobre como evitar a disseminação do COVID-19. Além dos US $ 25 milhões em créditos de anúncios que o Google alocou à OMS e às agências governamentais no início deste mês.
  • US $ 200 milhões serão destinados a um novo programa de apoio a ONG’s e instituições financeiras em todo o mundo, a fim de fornecer assistência adicional às pequenas e médias empresas.
  • Serão  disponibilizados US $ 340 milhões em créditos do Google Ads para todas as pequenas e médias empresas que tiveram uma conta ativa do Google Ads no ano passado. “As notificações de crédito aparecerão nas contas do Google Ads e podem ser usadas a qualquer momento até o final de 2020 em nossas plataformas de publicidade”.
  • US $ 20 milhões em créditos do Google Cloud para instituições acadêmicas e pesquisadores para ajudá-los a aproveitar os recursos e a infraestrutura de computação do Google “ao estudar terapias e vacinas em potencial, rastrear dados críticos e identificar novas maneiras de combater o COVID-19”.

O Google também está aumentando seus sistemas de suporte para ajudar a facilitar a produção de mais equipamentos de proteção para trabalhadores clínicos, além de aumentar seu programa de suporte de correspondência de presentes para funcionários do Google que doam para instituições de caridade.

É um compromisso significativo do gigante das buscas, e contribui para a crescente lista de contribuições de plataformas sociais e de tecnologia.

Nas últimas duas semanas, vimos grandes doações e contribuições do COVID-19 do Facebook,  LinkedIn, TikTok e Twitter, equivalentes a centenas de milhões de dólares cumulativamente. Obviamente, muitas plataformas de tecnologia estão gerando uma receita significativa – o Google faturou US $ 160 bilhões em 2019 – e essa receita depende dos usuários; portanto, é bom ver as plataformas buscando retribuir e apoiar o público que os apoia. Mas eles também não precisam doar nada – embora alguns tenham criticado o nível e a composição de tais contribuições, vale a pena notar que nenhuma dessas empresas tem a obrigação de contribuir com nada se não quiserem.

De fato, o Google parece perder uma parcela significativa de dólares em anúncios devido ao COVID-19, com analistas da soma estimando que o Google e o Facebook perderão coletivamente cerca de US $ 44 bilhões em receita publicitária em 2020. Dado isso, eles poderiam ser perdoados por serem um tanto conservador com suas doações, pois eles, como a maioria das empresas, serão duramente atingidos. Claro, estamos falando em bilhões, então a escala não é comparável a empresas menores, mas ainda assim, é a escala em que eles operam e que prejudicará sua posição no mercado e medidas de desempenho da mesma forma.

Fonte: Social Media Today

Postado por Ana Falkine em 1 de abril de 2020