Main menu

Skip to content

Facebook mostra a próxima geração de controle digital para AR, que responde aos comandos musculares

Enquanto o Facebook olha para o próximo estágio da conexão digital, que inclui o desenvolvimento de seus próprios óculos habilitados para AR, ele também está trabalhando em novas ferramentas de controle que permitirão que as pessoas interajam mais perfeitamente com essas sobreposições e opções.

Esses controles são uma parte essencial da experiência – para fazer o melhor uso das sobreposições de AR, você precisa ser capaz de interagir com elas facilmente, sem interromper suas tarefas diárias. Os comandos de voz são uma opção, enquanto outras pesquisas se concentraram em controles baseados nos olhos, com resultados variados.

Mas a pesquisa do Facebook mostrou que o pulso é o principal ponto de controle para tais interações.

O Facebook agora está desenvolvendo novas ferramentas baseadas em um dispositivo do tipo pulseira que lê os comandos dos músculos conforme eles viajam pelo seu braço para, então, permitir que você responda dentro do ambiente digital.

O processo utiliza EMG, ou eletromiografia, que traduz os sinais elétricos dos nervos motores por meio de sensores que detectam como eles viajam pelo seu membro.

“Esses sinais permitem que você comunique comandos nítidos de um bit ao seu dispositivo, um grau de controle altamente personalizável  e adaptável a muitas situações. Os sinais através do pulso são tão claros que o EMG  pode compreender o movimento do dedo de apenas um milímetro. Isso significa que a entrada pode ser fácil.” 

A lógica de utilizar esta forma de controle para AR, e até mesmo VR, faz sentido – como o Facebook observa:

“O pulso é um lugar tradicional para usar um relógio, o que significa que ele pode se encaixar razoavelmente na vida cotidiana e nos contextos sociais. É um local confortável para uso o dia todo. Ele está localizado próximo aos principais instrumentos que você usa para interagir com o mundo – suas mãos. Essa proximidade nos permitiria trazer os ricos recursos de controle de suas mãos para a AR, permitindo uma interação intuitiva, poderosa e satisfatória.”

O processo permitiria uma interação simples e eficaz com sobreposições e ferramentas digitais, o que tornaria mais fácil do que nunca a interação com essas opções complementares e até mesmo elementos de controle na tela.

E de acordo com o Facebook, eles podem até ser mais responsivos do que suas próprias mãos em alguns aplicativos.

“É muito provável que, no final das contas, você consiga digitar em alta velocidade com EMG em uma mesa ou no colo – talvez até a uma velocidade mais alta do que é possível com um teclado hoje. A pesquisa inicial é promissora. Na verdade, desde que ingressou na FRL em 2019, a equipe do CTRL-labs fez progressos importantes em modelos personalizados, reduzindo o tempo necessário para treinar modelos de teclado personalizados que se adaptam à velocidade e técnica de digitação de um indivíduo.”

O Facebook ainda não está em um nível em que seja capaz de projetar um lançamento futuro de tais, mas está trabalhando em seus óculos AR, a primeira iteração dos quais está prevista para lançamento ainda este ano. Essa primeira versão, que o Facebook está chamando de óculos inteligentes, não será totalmente habilitada para AR, mas em combinação com o desenvolvimento de seu próprio relógio inteligente pelo Facebook, você pode ver o roteiro começando a tomar forma, com esses novos processos conectivos se juntando rapidamente.

Talvez muito rápido.

Em 2017, o Facebook assustou muitas pessoas ao visualizar seu trabalho em uma nova interface de computação que se conectaria diretamente ao seu cérebro e responderia aos comandos essencialmente lendo seus pensamentos conforme eles surgissem.

Conexão cerebral do Facebook

Dar ao Facebook acesso direto aos seus pensamentos parece uma proposta arriscada, em muitas frentes, e o Facebook silenciosamente deixou esse projeto (ou discutiu-o publicamente, pelo menos) conforme suas várias controvérsias de privacidade de dados começaram a se acumular. 

Este novo processo de controle EMG segue linhas semelhantes, conectando-se ao seu corpo, ao seu processo de pensamento, a fim de facilitar o controle do dispositivo. Não é dar ao Facebook acesso aos seus pensamentos, como tal, mas as implicações ainda podem ser mais abrangentes do que estamos considerando. O Facebook observa que a privacidade do usuário está em primeiro lugar ao desenvolver todas essas ferramentas e processos. Mesmo assim, a velocidade da mudança viu o Facebook “se mover rápido e quebrar as coisas” no passado.

Independentemente disso, o próximo estágio da conexão digital está chegando, e logicamente será muito parecido com isso. Isso facilitará uma gama de novas possibilidades, novas oportunidades de marketing, novos processos e debates de rastreamento de dados e categorias de produtos totalmente novas.

É interessante considerar as implicações mais amplas, conforme avançamos com o próximo estágio.

Fonte: Social Media Today

Postado por Ana Falkine em 19 de março de 2021