Main menu

Skip to content

A mídia social é uma ótima ferramenta para manter as marcas conectadas a seus clientes, mas também pode ser um poderoso impulsionador da atividade de vendas diretas.

Você usa a mídia social para atrair clientes e aumentar as vendas?

Em caso afirmativo, você se certificou de que seus perfis de mídia social estão contribuindo para o funil de vendas, em vez de cada um ser um elemento autônomo?

Veja como você pode garantir que seus esforços de mídia social estejam vinculados ao aumento das vendas de seu negócio.

1. Planeje com antecedência

Ao lançar sua marca, lembre-se de que seu site será apenas um dos muitos canais de marketing. Você precisará de uma variedade de ativos online para maximizar sua visibilidade, e cada um desses ativos formará outra parte de seu funil de vendas.

Diante disso, consistência é a chave, e você deve procurar um nome de marca que esteja idealmente disponível em todas as principais plataformas de mídia social como parte dessa abordagem.

Desta forma, você garante que:

  • Cada perfil será reconhecido como parte de sua marca e, portanto, contribuirá para o reconhecimento geral da marca
  • Cada perfil será classificado de acordo com o nome de sua marca e ajudará você a controlar melhor os resultados de pesquisa de sua marca 

Namify é uma ferramenta de geração de nome de marca que verifica a disponibilidade de nome no Facebook, Twitter, Instagram, YouTube e Pinterest:

Namify

É uma maneira rápida de ver como seu nome está sendo usado ou não, o que pode ajudar a orientar sua abordagem inicial de marca. 

2. Construir uma imagem de marca consistente

Além do nome da sua marca, a identidade visual da sua marca (logotipo e cores) é outra forma poderosa de construir o reconhecimento da marca e aumentar sua presença de forma mais ampla.

Os seres humanos são extremamente visuais e lembramos e reconhecemos coisas por meio de associações visuais. Isso se deve ao “efeito de superioridade pictórica”, que se relaciona à capacidade do cérebro de reter informações visuais muito mais facilmente do que texto:

Efeito de superioridade pictórica

Diante disso, a identidade visual de sua marca deve ser consistente em todos os seus perfis de mídia social, vinculando-se a essa resposta cognitiva.

Considere a consistência visual em:

  • Fotos de perfil
  • Imagens de cabeçalho de seus canais e páginas de eventos
  • Seus gráficos de mídia social
  • Seus anúncios

Visme tem um recurso útil que armazena os elementos de identidade de sua marca e permite que sua equipe aplique essas dicas e motivos visuais a cada ativo que criarem. Isso economizará seu tempo, permitindo que você e sua equipe apliquem os elementos visuais de sua marca a todos os seus criativos com apenas alguns cliques.

Visme

3. Alinhe sua cópia de mídia social com sua página inicial

O marketing de mídia social é interruptivo. As pessoas geralmente vêm às plataformas sociais para ver as atualizações mais recentes de seus amigos e familiares, e seus links de produtos e promoções interrompem suas atividades.

É aqui que uma identidade de marca forte e consistente pode ajudar as pessoas a ficarem mais confortáveis ​​e confiantes ao se encontrarem em sua página.

Pense em cada clique que sua atualização de mídia social ou anúncio irá direcionar para seu site. Por que esse usuário de mídia social deseja continuar interagindo com sua página, em vez de clicar fora para continuar navegando em seu feed de mídia social?

Por exemplo, neste anúncio do Instagram, UPRIGHT usa os mesmos elementos visuais no criativo do anúncio e na página de destino vinculada:

Direito

Ao manter a consistência, você não apenas reforça sua marca, mas também fornece mais garantia aos usuários de que eles clicaram exatamente no que estavam procurando, ao mesmo tempo que garante uma experiência menos perturbadora.

4. Use o redirecionamento de conteúdo

O reaproveitamento de conteúdo é uma das maneiras mais eficazes de criar reconhecimento de marca em vários canais, mas em vez de apenas reutilizar o mesmo conteúdo em tantos canais quanto possível, considere uma abordagem mais criativa.

Cada plataforma é diferente e as maneiras como as pessoas se envolvem em cada uma também variam, o que significa que você precisa se alinhar com as práticas recomendadas de cada aplicativo para maximizar o apelo do seu conteúdo.

Por exemplo, você pode:

  • Publique conteúdo de formato longo em seu blog
  • Pegue todos os recursos visuais do conteúdo do seu blog e transforme-os em uma apresentação de slides (de vídeo) para usar no Facebook, Instagram e YouTube
  • Obtenha as principais conclusões do seu conteúdo de formato longo (por exemplo, etapas) e crie um infográfico rápido para postar no Pinterest
  • Pegue alguns pontos-chave do seu conteúdo e transforme-os em uma citação visual para usar no Instagram, Facebook e Linkedin
  • Pegue todas as suas citações visuais e transforme-as em um vídeo envolvente de mídia social

Quanto mais ativos você cria, mais atualizações exclusivas você será capaz de reunir, com cada uma gerando mais reconhecimento para sua marca e mais tráfego para seu site. E como você usou seu artigo original como base, as pessoas que clicarem em seus links de mídia social provavelmente se sentirão mais confortáveis ​​ao interagir com seu site.

Existem várias ferramentas que podem ajudá-lo a construir uma estratégia eficaz de reempacotamento de conteúdo, incluindo Canva , Visme e Haikudeck .

Se precisar de ajuda com ideias sobre como expandir e redirecionar seu conteúdo, você também pode executar uma pesquisa rápida no Text Optimizer . A ferramenta usa análise semântica para sugerir ângulos exclusivos para você usar em sua estratégia de reaproveitamento de conteúdo:

Otimizador de Texto

5. Personalize sua página inicial

Personalização de marketing significa fornecer diferentes experiências de usuário com base nas interações anteriores de cada pessoa com sua marca.

Existem várias maneiras de usar a personalização para seu funil de vendas de mídia social. Um dos métodos mais óbvios é usar o Facebook Pixel , que captura dados sobre as pessoas que visitam e interagem com o seu site, permitindo que você entre em contato com elas com promoções mais personalizadas com base em suas ações específicas.

Finteza é outra ferramenta de personalização de marketing, que permite ajustar seus apelos à ação com base na origem do tráfego, localização e interação anterior de seus usuários.

Finteza

As plataformas de mídia social podem impulsionar o reconhecimento da marca e vendas diretas – e o marketing de mídia social tem força total quando usado para ambos ao mesmo tempo. Pense em cada função de mídia social e atualização em termos de identidade de sua marca: “Como isso contribuirá para a imagem geral da minha marca e como ajudará a aumentar o reconhecimento da minha marca?”

Considerar o panorama geral pode ter um grande impacto no aumento de sua marca e nos esforços de vendas.

Já não é segredo que o atendimento aos clientes que optam pelos pedidos de entrega em restaurantes não é mais limitado ao telefone do local e um entregador próprio. A praticidade dos aplicativos e sites de delivery conquistou muitos consumidores, que se tornaram fiéis a essas opções, cada vez mais populares, como iFood, Tonolucro, UberEats e Rappi. Isso faz com que os restaurantes precisem trabalhar com essas plataformas para manter sua clientela ativa e continuar atraindo clientes com a diversidade em atendimento. 

Se você tem interesse em cadastrar seu estabelecimento em algum desses aplicativos, confira a seguir algumas informações: 

iFood

O cadastro exige um CNPJ, e para trabalhar com o aplicativo é preciso ter um computador com Windows e internet para receber os pedidos online. Você pode iniciar o cadastro clicando em “Quero fazer parte” e assinando um contrato digital, depois é só configurar informações que ficarão disponíveis para os clientes, como formas de pagamento aceitas, horários de funcionamento e itens do cardápio. 

Existem duas modalidades de plano, o plano Básico e o Entrega (ambas oferecem mensalidade grátis no primeiro mês). Com o plano Básico é necessário que o estabelecimento possua entregador próprio, a mensalidade é de R$100 para restaurantes que venderem mais de R$1,8 mil por mês e a taxa é de 12% sobre o valor de cada pedido. Além disso, os pedidos com pagamento online têm 3,5% de desconto referentes à taxa de transação cobrada pelos cartões. Já o plano Entrega oferece entregador, sua mensalidade é de R$130 (apenas se faturar mais de R$1,8 mil por mês), e a taxa cobrada sobre o valor de cada pedido é de 23% mensais. No caso de o pedido ser pago pelo aplicativo também é cobrado um adicional de 3,5%. O contrato não exige fidelidade ou exclusividade, e pode ser cancelado a qualquer momento. 

Os clientes têm duas opções na hora de pagar: via restaurante e via iFood. As vendas são contabilizadas por períodos de sete dias e os repasses são feitos pelo iFood em até quatro semanas, às quarta-feiras. 

UberEats

Para se inscrever no UberEats, o primeiro passo é preencher um formulário de interesse com informações como nome do restaurante, localização, CEP do local principal, contatos do responsável, número do local, tipo de culinária, estimativa média semanal de pedidos e se o restaurante realiza entregas ou não. Após o preenchimento, um membro da equipe do UberEats entra em contato para conversar sobre como a parceria pode ser uma boa opção para os dois lados. 

A delimitação da área de entrega varia de acordo com a cidade e a área de abrangência dos entregadores e da localização do cliente. É possível definir a preferência de área de entrega durante o cadastro. 

Rappi

O cadastro no Rappi é realizado entrando em contato com a área de parceiros pelo e-mail sejaparceiro@rappi.com. Ao entrar em contato você deve fornecer alguns dados, como o nome do estabelecimento, localidade e tipo de comida que serve. A equipe do Rappi retornará e, com o cadastro feito, você deverá baixar o aplicativo RappiAliado, preencher os dados solicitados e ativar o estabelecimento. Depois é só inserir o cardápio e escolher quais pratos deixar ativos ou inativos. 

Tonolucro

É possível se cadastrar no Tonolucro através do site do aplicativo, preenchendo um pequeno formulário com informações como nome do responsável pelo estabelecimento, nome do estabelecimento, tipo de produto, cidade e email. Depois um representante da equipe Tonolucro entrará em contato para obter mais informações. 

Não é necessário pagar nada para entrar, mas há uma mensalidade de R$150, que é dividida e cobrada quinzenalmente. O app fornece os entregadores, sendo para cada pedido um entregador. O percentual cobrado para comida é de 25%, e para produtos industrializados, de 15%, e as taxas não variam nem mesmo em situações de pedidos pagos online ou via cupom promocional. Os repasses acontecem quinzenalmente e são depositados na conta do estabelecimento nos dias 03 e 18 de cada mês, a não ser quando essas datas caem em fins de semana ou feriados, aí os repasses ocorrem no próximo dia útil. 

O governo dos EUA fez uma série de anúncios significativos na semana passada que podem acabar tendo grandes impactos sobre como as plataformas de mídia social operam, incluindo potenciais limitações e restrições sobre o que as plataformas digitais podem fazer em relação à compra de outras plataformas, operação de seus negócios de publicidade, utilização de usuários dados e muito mais.

Na sexta-feira, quatro projetos de lei separados foram apresentados à  Câmara dos Representantes, todos visando vários elementos dos grandes monopólios de tecnologia.

Conforme relatado pela Reuters, essas quatro contas poderiam potencialmente ver: 

  • Uma lei contra plataformas que dão preferência a seus próprios produtos em suas plataformas. Por exemplo, o Google não seria mais capaz de promover seus próprios produtos em pesquisas, a Apple não teria permissão para dar preferência à Apple Music em vez do Spotify etc.
  • Uma restrição para fusões de negócios no setor de tecnologia, a menos que o adquirente possa demonstrar que a empresa adquirida não estava em concorrência com nenhum produto ou serviço que a plataforma já oferece. O Facebook não teria permissão para adquirir o WhatsApp ou Instagram sob esta disposição.
  • Proibição de plataformas digitais com subsidiárias que operam em sua plataforma, se essas subsidiárias competirem com outras empresas. Isso visa reduzir o comportamento preferencial e pode potencialmente forçar a venda de certos elementos. 
  • Melhoria da portabilidade de dados do usuário, com plataformas sob obrigação legal de permitir que os usuários transfiram seus dados para outro lugar, se quiserem, incluindo para uma empresa concorrente.

Um projeto de lei separado também daria à Divisão de Antitruste do Departamento de Justiça um aumento significativo no financiamento, a fim de ajudá-la a impor processos antitruste, como os que estão atualmente em andamento contra o Facebook e o Google.

Na verdade, sempre há casos antitruste em andamento contra os gigantes da tecnologia, e o aumento do financiamento ajudaria a resolver essas questões pendentes e financiar investigações adicionais.

Se esses projetos forem aprovados, ou mesmo se alguns deles forem aprovados, isso colocará uma nova série de restrições sobre como os gigantes da tecnologia podem operar, enquanto outras investigações também estão em andamento na Europa e em outras regiões em torno de potenciais restrições ao compartilhamento de dados. devido a preocupações sobre o possível uso indevido por governos estrangeiros.

Isso também ocorre quando o governo dos EUA continua a examinar as implicações do compartilhamento de dados com a China, que inclui plataformas digitais de propriedade chinesa, e pode acabar impactando o TikTok em algum estágio, bem como o WeChat. Embora o TikTok tenha conseguido evitar uma proibição nos Estados Unidos no ano passado, depois que o governo Trump tentou forçá-lo a se tornar propriedade dos Estados Unidos, ele ainda pode enfrentar um potencial fechamento nos Estados Unidos, dependendo das tensões acirradas entre os EUA e a China.

Juntos, esses elementos podem forçar grandes mudanças no cenário do marketing digital e será importante para qualquer pessoa que trabalhe no setor tomar nota e se preparar para as mudanças como resultado. 

Embora, na verdade, esses movimentos não sejam uma grande surpresa.

Dada a ascensão das mídias sociais e o papel-chave que agora desempenham em nosso processo interativo diário, parece um tanto inevitável que, em algum estágio, novas regras sejam introduzidas para reinar no poder do Facebook e da empresa, especialmente como As plataformas estão cada vez mais sendo solicitadas a pesar em coisas como censura política, e suas redes são seres usados ​​para influenciar mudanças globais massivas.

Essa última nota pode parecer um exagero, mas com grupos estrangeiros e financiados pelo governo buscando influenciar a resposta dos eleitores fora de suas próprias fronteiras por meio de aplicativos sociais, e os políticos cada vez mais se apoiando no Facebook e no Twitter, em particular, como uma linha direta com seus constituintes, permitindo-lhes, entre outras coisas, lançar dúvidas sobre a cobertura da mídia convencional, é muito claro que a mídia social está de fato causando mudanças sísmicas no cenário político.

Se a ascensão do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nos mostrou algo, é que a mídia social agora é a plataforma principal para se conectar com o público em escala e em tempo real – e com 71% das pessoas agora recebendo pelo menos parte de suas notícias de plataformas de mídia social, e aumentando, isso só vai se tornar mais significativo.

Isso já assustou vários funcionários do governo e legisladores, enquanto o recente banimento de Trump do Facebook, Twitter e YouTube também levantou mais preocupações sobre a censura política e o fato de que as decisões sobre quem pode ou não ter uma plataforma pública agora estão sendo tomadas por tecnologia CEOs no Vale do Silício. Isso dá à empresa privada controle direto sobre um elemento da política, o que, concordando com a proibição de Trump ou não, é uma questão significativa.

É por isso que o Facebook tem clamado por regulamentação externa, e até mesmo formou seu próprio grupo regulador terceirizado, composto por um grupo diversificado de especialistas, para tratar de tais preocupações. A esperança do Facebook é que, ao mostrar como seu Conselho de Supervisão independente pode ajudá-lo a tomar tais decisões, isso poderia fornecer um novo caminho para uma regulamentação mais ampla e tirar essas decisões de suas mãos.

Essencialmente, o Facebook e outras plataformas também preferem que as regras não sejam definidas por suas equipes internas – mas dentro do processo atual, eles têm pouca escolha. Como tal, essas novas contas poderiam ser um passo à frente, mas, ao mesmo tempo, também limitariam a oportunidade do Facebook de crescer e se expandir ainda mais por meio de aquisições.

O que, na verdade, significa apenas que veremos mais funções de clone do Facebook, como Stories e Reels, e menos tentativas de comprar plataformas opostas, como WhatsApp e Instagram. 

Esse seria um cenário melhor? Quer dizer, provavelmente. Os clones do Facebook tradicionalmente não se saíram tão bem quanto os originais, o que deixa mais espaço para competição no setor. 

Mas de qualquer forma, as implicações aqui são significativas e podem desencadear grandes mudanças em todo o setor. Ainda há um longo caminho a percorrer, mas vale a pena ficar de olho em cada elemento dentro dessa mudança.

Se você está abrindo uma empresa, lançando um produto ou até começando a trabalhar como afiliado, é importante saber quem são os seus compradores. Dialogar com seus clientes é um dos fatores essenciais para gerar interesse pelos seus produtos ou serviços, e isso só é possível a partir de um entendimento prévio sobre quem já os adquiriu ou ainda vai adquirir.  

Criar conteúdos úteis e que dialoguem com o seu público-alvo pode tornar seus  resultados mais assertivos. Na hora de trabalhar com marketing de conteúdo, a chave para o sucesso é estudar as melhores estratégias para que as pessoas conheçam seu produto ou serviço, e uma delas é conseguir definir bem quem é o seu público-alvo para criar conteúdos úteis a partir disso. Aí entra a criação da persona. 

O que é persona? 

As personas são representações do perfil ideal de clientes para as marcas, como personagens.  A partir de informações reais sobre o público que se quer atingir, como características demográficas, psicográficas ou comportamentais,  é possível retratar o perfil do seu consumidor, o que permite a otimização do seu diálogo com clientes reais. 

Resumidamente, a persona é a definição de com quem a sua marca conversará – e para isso é preciso pensar em todos os detalhes. Ela possui nome, idade, história pessoal, sonhos, objetivos, desafios e preocupações. Através da ideia de estar lidando com um cliente ideal, ela permite que você assuma o tom correto neste diálogo, dando um norte para as suas estratégias – dessa forma, se seu negócio não possui uma persona bem definida, suas estratégias não terão precisão e seu conteúdo acabará se tornando irrelevante. 

Persona x Público-alvo 

Embora os dois conceitos estejam relacionados, eles não dizem respeito à mesma coisa – mas não se preocupe, confundi-los é bastante comum. Para esclarecer: 

Público-alvo é um conceito mais amplo, ele se refere a  um segmento de pessoas como uma grande massa com algumas características em comum. A definição do público-alvo costuma vir de critérios sociodemográficos, como gênero, classe social, educação, nacionalidade, etc, o que não é suficiente para compreender os desejos, hábitos ou problemas do consumidor. 

Já a persona é um modelo completo, que retrata o consumidor ideal da sua marca, considerando seus desafios e dificuldades e como seu negócio pode ajudá-lo. Isso torna a comunicação muito mais fluida e efetiva. 

Exemplo de público-alvo: “Homens entre 20 e 50 anos que são empreendedores e trabalham para consolidar sua marca, passam muito tempo na internet, possuem renda mensal acima de R$10.000”.

Exemplo de persona: “Ana Laura, 29 anos, recém formada em design de moda, abriu recentemente seu primeiro ateliê. Gosta de viajar, fazer exercícios e curtir com amigos. É engajada nas redes sociais, sente que tem muito o que compartilhar com o público, e gostaria de estabelecer sua marca no mercado virtual”. 

Porque criar uma persona? 

Desenvolver estratégias de marketing para alguém sobre quem se tem mais informações torna o seu conteúdo mais bem direcionado e útil. Em outras palavras, a persona ajuda a produzir o conteúdo certo para a pessoa certa, aumentando suas chances de sucesso. Ela também permite segmentar os anúncios com mais precisão, reduzindo custos com links patrocinados e aumentando as chances de conversão. Além disso, pequenos empreendedores digitais também se beneficiam da criação de um avatar, não sendo uma estratégia aplicável apenas por grandes corporações. 

Como criá-la

Já te mostramos as razões pelas quais ter uma persona é tão vantajoso, mas afinal, como criar uma na prática?

Para isso você precisará de respostas para uma série de perguntas sobre os seus usuários. Diante disso, algumas opções são formulários, pesquisas de mercado, pesquisas online, etc. Depois de uma pesquisa detalhada sobre quem são seus compradores, ponha-se no lugar dos mesmos e responda com sinceridade a perguntas como quais suas expectativas diante do seu produto, quais os seus valores, metas, sonhos, o que consomem no dia a dia, e claro, como a sua marca pode impactar positivamente a vida dessas pessoas. 

Após finalizar sua coleta de informações, use-as para moldar sua persona através de uma ficha com dados específicos como nome, idade, trabalho, nível de estudo, medos e sonhos. 

Mas… Como criar uma persona sem ainda possuir clientes ou até mesmo um produto? 

Mesmo sem saber quem são as pessoas para quem você venderá, ainda é possível utilizar essa ferramenta seguindo alguns passos. São eles:

  1. Definir sua área de atuação

Uma boa ideia para quem está começando, é trabalhar com um produto ou serviço que já conhece bem, assim se torna mais fácil falar sobre ele e perceber quem são as pessoas que consumirão, o que possibilita a definição do seu nicho. 

  1. Interagir 

Pode parecer meio óbvio, mas muitos empreendedores erram neste ponto. Interagir com seus possíveis clientes é fundamental para compreender como eles funcionam e quais suas necessidades. Para por este ponto em prática você pode utilizar os fóruns nas redes sociais que sejam relacionados à sua área de atuação. O Facebook é uma ótima opção. 

  1. Utilizar o Audience Insights 

Essa é uma ferramenta do Facebook que permite que você veja quem são as pessoas que procuram por produtos ou serviços semelhantes ao que você planeja vender. 

  1. Criar formulários de pesquisa

Os formulários também são uma ótima opção para coleta de informações. Eles precisam conter perguntas sociodemográficas, e também comportamentais e psicográficas. Você deve disponibilizar seu formulário de modo que consiga coletar muitas respostas, como nas suas redes sociais, blogs e fóruns, direcionando sempre ao seu nicho. Mas é preciso tomar alguns cuidados como não fazer perguntas demais no formulário – o que desmotiva as pessoas a responder – , e pensar na quantidade de respostas que irá analisar, que não deve ser muito pequena nem muito grande. Algo em torno de 100 pessoas é suficiente para um começo, mas se houver necessidade é possível fazer uma segunda pesquisa.

Quando já tiver obtido uma boa quantidade de respostas, analise-as para compreender o perfil do seu comprador e começar a moldar a persona.

  1. Lançar o produto

Lançar uma “prévia” do seu produto pode ser uma boa estratégia para criar a persona, porque com o lançamento as pessoas farão comentários preciosos para você. Essa prévia se chama MVP (Produto Viável Mínimo) e é essencial para você entender a percepção do público sobre o que você pretende oferecer, e claro, para interagir com os consumidores e analisar o seu perfil, o que fornece base para a criação da sua persona. 

Como aplicar a persona em uma estratégia de marketing?

Persona criada. E agora, o que fazer? 

Pode parecer complicado, mas usar a persona para direcionar as estratégias de marketing é, na verdade, bastante simples. Basta ter em mente os seus interesses, hábitos e comportamentos quando for planejar alguma ação ou traçar suas estratégias. Um exemplo prático é a escolha da linguagem que deve ser usada nos canais de comunicação, escolha das palavras-chave, dentre outros fatores, de acordo com as características da persona. Considere-as também ao criar suas campanhas de mídia paga, para ter certeza de que sua mensagem será entregue para quem interessa.  

Os resultados

Em virtude da maior identificação com o público, utilizar personas na sua estratégia de marketing apresenta muitos bons resultados para a organização, já que é possível perceber as dores e lidar com os problemas do cliente de maneira mais eficiente. Assim a empresa proporciona uma experiência melhor para o usuário, o que gera compradores mais engajados. Então, independentemente de já ter clientes ou não, não deixe de criar a sua persona para que suas ações de marketing sejam mais completas e atinjam os objetivos do seu negócio.

Uma boa estratégia de marketing digital é essencial para qualquer negócio em 2021: o
alcance e engajamento dos canais digitais são incomparáveis, e hoje, representam a maior
possibilidade de captura de clientes e crescimento orgânico para qualquer empresa. Em
especial durante a quarentena, o investimento no marketing digital pode ser a peça chave para
determinar se seu negócio conquistará espaço no mercado.
E para quem está começando a entrar no mundo do marketing online, algumas dúvidas
podem surgir na hora de alocar seu dinheiro e esforços nas diferentes estratégias e campanhas
de marketing digital – investir em SEO ou SEM? Faz diferença? E a propósito, qual é
exatamente a diferença entre eles? Não se preocupe, nossa equipe compilou tudo o que você
precisa saber neste artigo completo. Confira.

O que é SEO?

Talvez a sigla em inglês mais conhecida no mundo da publicidade digital, SEO significa
“otimização para mecanismos de busca” e, de forma simplificada, é o conjunto de técnicas que
podem ser aplicadas em websites, artigos e conteúdo digital para melhorar o posicionamento e
resposta de sua página em sites como o Google e Bing.
Embora seja interessante investir em ferramentas básicas para análise de SEO, como
uma VPN para investigar rankings no Google, um plugin para análise de artigos e uma agência
de marketing digital para direcionar seus esforços, algumas dicas de SEO simples podem ser
implementadas agora mesmo para gerar tráfego com resultados rápidos e significativos:
● Conteúdo relevante: garanta a qualidade do texto, adicione informações úteis e use
links para sites com alto valor de Domain Authority (DA).
● Palavras-chave: escolha palavras-chave fortes, com potencial de pesquisa, e
certifique-se de que essas aparecem frequentemente no texto, títulos e subtítulos.
● Use a hierarquia de parágrafos: faça uso de título, subtítulo, H1, H2 e H3 para criar
uma hierarquia lógica no conteúdo. Também evite parágrafos longos.

● Garanta a velocidade do site: evite conteúdos pesados, pouco otimizados ou
dependentes de muitas conexões com terceiros, pois sites lentos são penalizados pelo
público e Google.
Dessa forma, as técnicas de SEO são fundamentais para aumentar o crescimento
orgânico de seu conteúdo, de forma gratuita, através da construção de uma autoridade e
confiança por parte dos algoritmos de busca.

E o que é SEM?

Raramente quem está iniciando uma estratégia de marketing digital reconhece a sigla,
no entanto, você com certeza já pensou e interagiu com estratégias de SEM: traduzido como
“marketing para buscadores” o SEM é a técnica de investir em anúncios e outros mecanismos
de publicidade para obter cliques em sites como o Google.
Ou seja, o SEM trabalha com aqueles anúncios pagos que aparecem no topo das
pesquisas, os banners na lateral das páginas, e envolve diretamente o uso de plataformas
como a Google AdSense ou Bing Ads. O custo por clique pode ser elevado, no entanto, as
ferramentas poderosas de personalização do público alvo e as posições de destaque na página
são extremamente poderosas se configuradas corretamente.
Uma estratégia de SEM permite que você elabore um perfil completo de consumidor em
potencial e, instantaneamente, coloque sua marca diretamente na tela do cliente. Especialistas
em SEM são capazes de gastar o mínimo de dinheiro para criar uma estratégia eficiente que
converte visualizações em cliques, e cliques em compras.

SEM ou SEO: em qual devo investir?

A verdade é que não há resposta definitiva que se aplique a qualquer empresa, em
todos os momentos: para a maioria das pessoas, a solução ideal será alguma combinação de
SEM e SEO, e um pouco de experiência prática ou um acompanhamento por uma agência de
marketing digital podem fazer a diferença. De todo modo, é possível direcionar seus
investimentos e esforços com base em alguns pontos-chave:
● Sua posição no presente: seu site já consegue atrair um público organicamente?
Então investir em SEM pode ser uma forma eficiente de focar em seu alvo. Por outro
lado, se seu conteúdo ainda não está recebendo atenção nos algoritmos, é hora de
investir em SEO.

● Sua verba: estratégias de SEM podem se tornar caras rapidamente, principalmente
quando queremos personalizar nossas campanhas. Em muitos casos, com dinheiro
limitado, pode ser mais interessante investir em uma consultoria de marketing digital.
● Seu objetivo: se estiver com um produto novo ou uma necessidade imediata e
específica, uma campanha de SEM trará resultados melhores e mais eficientes. Por
outro lado, se deseja estabelecer sua presença online e adquirir uma relevância a longo
prazo, estratégias de SEO gerarão mais resultados.

Agora você já possui algumas noções importantes sobre as diferenças entre SEO e
SEM, e pode pensar em quais estratégias fazem sentido para seu negócio. Um equilíbrio entre
as duas modalidades pode gerar resultados extremamente positivos para sua presença digital,
e a conversão de clientes através do marketing online com certeza irá te surpreender.

A análise do concorrente é um elemento-chave em qualquer abordagem de marketing digital eficaz, fornecendo insights sobre como seus concorrentes lidaram com desafios de marketing semelhantes aos seus e o que funcionou (e o que não funcionou) em seus processos. 

A análise de seus concorrentes pode ajudá-lo a posicionar melhor seus produtos e serviços em um nicho específico ou competir frente a frente com mensagens que aumentam seus pontos fortes. E se você deseja maximizar seu marketing, realizar uma análise da concorrência é essencial sempre que você lançar um novo produto ou entrar em um novo espaço de mercado, indústria ou vertical.  

Nesta postagem, examinaremos seis elementos-chave da análise da concorrência que ajudarão seus esforços de marketing a vencer. 

O que observar e ferramentas para usar:

Mas, primeiro, para analisar com eficácia o desempenho do marketing digital de seus concorrentes, você precisa das ferramentas certas.

Dentro disso, você precisa de aplicativos que irão:

  • Examine o tráfego do site, o crescimento do tráfego, os backlinks e suas páginas mais populares
  • Analise o conteúdo em seu site, blog, bem como o que eles publicam em canais sociais
  • Fornece uma visão geral do conteúdo do anúncio em mecanismos de pesquisa e redes sociais
  • Destacar palavras-chave em seus sites, em seu conteúdo e usadas em suas campanhas 

Algumas ferramentas excelentes e poderosas que abrangem esses elementos são:

  • SEMRush  – Para SEO e auditoria de site, backlink e pesquisa de palavras-chave. SEMRush também oferece análise de tráfego e complementos de inteligência competitiva que permitem que você faça pesquisas muito mais profundas. Outras boas ferramentas aqui são Ahrefs e Raven Tools. 
  • BuzzSumo –  Para pesquisa de conteúdo. O BuzzSumo pode ajudá-lo a identificar o desempenho do conteúdo de seus concorrentes e como eles participam de sites digitais de perguntas e respostas.
  • FanPage Karma –  Para encontrar conteúdo e informações de engajamento sobre seus concorrentes, incluindo qual conteúdo foi mais popular com seu público, quais canais e horários de postagem obtêm mais engajamento, quais tópicos foram mais populares e identificar questões e problemas de seu público. pode fornecer oportunidades para sua marca. FanPage Karma é uma ferramenta analítica poderosa a esse respeito.

Veja como usar essas ferramentas em seu processo de análise de concorrentes.

1. Insights da análise de tráfego

O primeiro elemento que você deseja observar é o tráfego da web e como as pessoas estão descobrindo os sites de seus concorrentes – o SEMRush pode ajudar nisso.

Você deve analisar o tráfego para sites concorrentes para descobrir quantos visitantes eles têm, visitantes únicos, páginas por visita, duração da visita e taxa de rejeição, que informa quanto tráfego seus concorrentes estão obtendo, se os visitantes consideram o conteúdo do site útil o suficiente para permanecer no site e qual conteúdo é mais popular.

Você também pode ver como os visitantes estão encontrando o caminho para os sites de seus concorrentes.

DICA: identifique os domínios de origem para informar as decisões sobre o investimento em mecanismos de pesquisa e publicidade em mídia social, bem como o alcance de influenciadores com base no que está funcionando para seus concorrentes. 

Uma das coisas mais importantes que você pode aprender aqui é quais páginas do site do seu concorrente são mais populares. 

Ver quais páginas de destino funcionam melhor para seu concorrente pode dizer quais produtos e serviços têm uma presença online bem-sucedida e quais não. Isso pode informar sua abordagem de marketing de produtos e serviços e de como executar suas campanhas.

DICA: para uma campanha projetada para ir frente a frente com um produto ou serviço concorrente que é popular, analise a mensagem nessa página e encontre maneiras de diferenciar seus produtos e serviços. Considere promover essas mensagens usando geração de demanda agressiva, como pesquisa e publicidade social. 

2. Backlinks

Backlinks ajudam a construir sua autoridade de domínio e melhorar sua classificação para tópicos vinculados a outros sites. Os esforços de SEO da sua marca devem incluir um componente de construção de links, e ferramentas como SEMRush e AHRefs permitem que você execute uma análise de lacunas de backlink para domínios vinculados a seus concorrentes, mas não a você.

Isso informará e melhorará seus esforços de criação de links. 

3. Redes Sociais

Analisar a atividade de mídia social de seu concorrente pode dizer quais canais eles usam para promoção, como estão posicionando seus produtos e serviços e quais conteúdos e mensagens receberam a melhor recepção de seu público.

Também pode ajudá-lo a encontrar lacunas em sua estratégia de promoção, o que pode representar uma oportunidade para sua marca.

Ferramentas como Fan Page Karma podem fornecer inteligência competitiva nas atividades de mídia social dos concorrentes.  

Você pode ver os canais que eles usam para promoção, quão ativos eles são, o crescimento de sua presença no canal e quão ativamente eles estão se envolvendo com seu público. 

DICA: se você está almejando o mesmo público que seu concorrente, considere focar suas atividades em canais que funcionaram bem para eles. 

Você também pode ver o conteúdo que eles estão publicando, os tópicos sobre os quais estão falando e quais desses tópicos são de mais interesse para seu público. 

DICA: essas informações podem ajudá-lo a identificar os tópicos de maior interesse para o público, as dúvidas que eles têm e os problemas que você pode discutir para posicionar o valor de seus produtos e serviços. Use essas informações para refinar sua estratégia de conteúdo, mensagens e proposição de valor.

4. Palavras-chave

Uma das coisas mais importantes que você pode aprender com seus concorrentes é quais palavras-chave eles estão usando e para qual classificação.

O conteúdo do seu site e campanha deve ser focado em um conjunto básico de palavras-chave que ajudarão o seu público-alvo a encontrar o seu site e conteúdo ao procurar as soluções que você está vendendo. 

Seus concorrentes também usarão e tentarão classificar palavras-chave relevantes. 

DICA: examine as palavras-chave usadas por seus concorrentes para encontrar palavras-chave específicas do setor nas quais você possa ter uma classificação mais elevada no conteúdo do seu site e campanha e para formular variantes de palavras-chave de cauda longa para as quais você possa classificar e que diferenciem seus produtos e serviços de seus concorrentes.

Outro ótimo recurso oferecido pelo SEMRush é a capacidade de relatar perguntas frequentes relacionadas a palavras-chave e domínios.  

DICA: Desenvolva listas das principais perguntas sobre os problemas que você resolve e os produtos e serviços que vende e crie conteúdo que responda a essas perguntas. Você também pode ter uma abordagem mais interativa e participar ativamente de sites de perguntas e respostas e fóruns como Quora e Reddit e responder a perguntas relevantes aos produtos e serviços que você vende e postar links para o conteúdo do seu site para obter informações adicionais.

5. Informações de publicidade

Analisar as informações de publicidade de seus concorrentes pode economizar muito tempo na pesquisa e formulação de elementos críticos de campanha, como palavras-chave e texto do anúncio, e ajudá-lo a posicionar seus produtos e serviços de forma mais eficaz.

SEMRush pode mostrar estimativas de tráfego, palavras-chave e estimativas de custo para tráfego de pesquisa paga, publicidade gráfica e anúncios de lista de produtos. 

DICA: as palavras-chave usadas por seus concorrentes são um ótimo ponto de partida para as palavras-chave que você pode usar para sua marca e campanha. Você pode competir com sucesso pelas palavras-chave principais, mas certamente pode usar essas informações para escolher variantes de palavras-chave de cauda longa que funcionem bem com a proposta de valor de sua marca, produtos e serviços.

Você pode ver as mudanças de posição das palavras-chave usadas por seus concorrentes.

Você pode até ver a cópia do anúncio do concorrente.

DICA: Ver como seus concorrentes estão promovendo seus produtos e serviços mostra como eles estão posicionando suas ofertas, permitindo que você construa um site e uma cópia do anúncio para se posicionar de maneira diferente, indo atrás de um nicho ligeiramente diferente. 

6. Análise de Conteúdo

Ao analisar o melhor conteúdo de seus concorrentes, você pode ver se tópicos semelhantes são adequados para sua marca e avaliar os tipos de conteúdo que seu público gosta de consumir.

Você também pode descobrir lacunas na cobertura de conteúdo e perguntas frequentes que sua marca pode abordar em suas campanhas de conteúdo.

Observe também o conteúdo de baixo desempenho e tente determinar por que não ressoou. 

DICA: analise o conteúdo do concorrente com o objetivo de encontrar a melhor maneira de diferenciar seu conteúdo e mensagens para se destacar favoravelmente do pacote. Faça uma análise profunda para encontrar tendências e ver se o público prefere um conteúdo mais longo ou mais curto, uma análise fundamental ou mais profunda, conteúdo conceitual vs. 

Conclusão

A análise regular da sua competição é importante, porque é como olhar o manual do outro time antes de você entrar em campo. Ele permite que você desenvolva uma estratégia de campanha e uma mensagem que diferencia seus produtos e serviços, acentua seus pontos fortes e o posiciona para vencer a concorrência.

Se você ainda não fez uma análise da concorrência, vale a pena dar uma olhada, e essas ferramentas e dicas o ajudarão.

Matéria publicada pela primeira vez em SocialMediaToday.

As marcas de hoje começaram a desviar os holofotes de si mesmas e para seus clientes, funcionários e fãs leais, permitindo que o conteúdo que esses grupos criem impulsione cada vez mais suas atividades de marketing.

Por quê?

O conteúdo gerado pelo usuário (UGC) foi estabelecido como um dos conteúdos mais envolventes que existe. As pessoas gostam porque vem de pessoas reais, é autêntico, é mais identificável do que conteúdo de marca polido, a lista continua.

Cada vez mais, as marcas estão capitalizando essa estratégia de conteúdo, apresentando UGC em seus feeds sociais, em seus sites, em anúncios e e-mails.

Considere estas estatísticas:

  • 70% dos consumidores confiam mais no UGC do que no conteúdo de marca
  • 79% das pessoas dizem que o UGC tem um grande impacto em suas decisões de compra
  • Os clientes têm 6x mais probabilidade de comprar um produto se a página incluir imagens das redes sociais

Quando você olha para o mundo em rápido crescimento das compras online, as linhas começam a se confundir entre o conteúdo e o comércio. As lojas online estão cada vez mais inserindo conteúdo de mídia social em seus sites, à medida que os canais de mídia social implementam recursos avançados para as marcas criarem lojas de comércio eletrônico totalmente funcionais no aplicativo.

Embora a competição no comércio eletrônico seja mais acirrada do que nunca, as marcas têm ampla liberdade neste momento para experimentar e descobrir o que mais envolve os consumidores.

E, à medida que as experiências online evoluem rapidamente, é uma oportunidade de tentar algo novo para ficar à frente dos concorrentes. 

Insira conteúdo comprável

As marcas de comércio eletrônico que podem fornecer o melhor e mais perfeito caminho para a compra serão, inevitavelmente, aquelas que terão maior engajamento e vendas. É por isso que as marcas procuram criar oportunidades de compra sempre que possível, o que inclui tornar o conteúdo (imagens, vídeos, blogs, etc.) cada vez mais comprável.

As experiências de conteúdo comprável podem eliminar etapas na jornada do comprador tradicional, reduzindo as chances de que os compradores em potencial percam o caminho da compra.

Na melhor das hipóteses, o conteúdo comprável garante que os consumidores estejam a apenas um ou dois cliques de obter o produto que desejam quando a inspiração surgir. É uma compra online rápida, fácil, integrada e envolvente.

Dê um passo adiante e começaremos a ver as empresas capitalizarem na tendência crescente de UGC, tornando compráveis ​​imagens de pessoas reais usando ou vestindo seus produtos.

Por que o Shoppable UGC é o futuro do comércio eletrônico

Um relatório recente da DemandGen revelou que impressionantes 91% dos compradores preferem conteúdo visual e interativo em vez de formatos tradicionais.

Oferecer conteúdo visual atraente, que os consumidores não apenas desejam ver mais, mas também com o qual estão mais propensos a se engajar, é crucial para o sucesso do comércio eletrônico. É por isso que o UGC é a próxima fronteira em conteúdo comprável. 

Nas últimas duas décadas, o interesse do consumidor em conteúdo de marca elegante e produzido profissionalmente diminuiu, enquanto a popularidade de conteúdo real e puro nas mídias sociais cresceu.

Hoje, as pessoas não apenas consomem, mas também criam o conteúdo que desejam das marcas – na verdade, a maioria dos consumidores (56%) disse que fotos e vídeos gerados por usuários são os conteúdos que mais desejam ver das marcas. 

UGC é o único tipo de conteúdo que pode fornecer a prova social visual que os compradores online procuram. Os consumidores não podem experimentar fisicamente um item antes de comprá-lo online, então a próxima melhor coisa são visuais autênticos que podem fornecer uma visão da aparência de um produto em cenários do mundo real. 

Dado que os compradores online desejam experiências mais interativas, é natural que o conteúdo mais influente não sejam fotos de produtos perfeitos, mas imagens realistas geradas por usuários de clientes genuínos.

Indo além do comércio social

À medida que mais consumidores se voltam para o comércio eletrônico para atender às suas necessidades de compras, as plataformas de mídia social estão aproveitando essa demanda. As redes sociais estão investindo cada vez mais em recursos que possibilitem a comercialização de conteúdo.

A capacidade das marcas de promover e vender produtos por meio da mídia social é chamada de comércio social e é uma ferramenta extremamente poderosa à disposição dos profissionais de marketing modernos.

Mas é apenas um lado da moeda das compras sociais.

Embora a prova social comprável tenha provado ser altamente impactante para ajudar os varejistas a alcançar os consumidores nas redes sociais, o valor do conteúdo gerado pelo usuário pode (e deve) se estender muito além dos canais sociais. Estender o conteúdo comprável para plataformas de terceiros, como redes sociais, e canais próprios, como homepages, páginas de produtos, e-mails e muito mais, pode ajudar os profissionais de marketing a criar experiências omnicanal mais consistentes e envolventes, que permitem às pessoas comprar, não importa onde estejam viagem do cliente.

Experiências UGC compráveis ​​da Lush Cosmetics

Um ótimo exemplo de marca que usa UGC comprável além da mídia social é a Lush Cosmetics.

A Lush apresenta UGC comprável de clientes em sua página inicial e páginas de produtos , levando os visitantes diretamente da inspiração visual para páginas de compra relevantes. Em apenas um mês, essa seção da página inicial teve 1 milhão de impressões – um aumento de 333% em relação ao conteúdo da marca na galeria da página inicial. 

Além do mais, 2% dos visitantes realizaram uma ação em seu UGC com tecnologia Stackla após serem apresentados a um botão “Compre agora”.

Conforme explicado por Sabine Schwirtz, ex-Gerente de Comunidade da LUSH:

“Descobrimos que as pessoas não apenas estão criando conteúdo sobre os produtos de que gostam, mas também são rapidamente convencidas e estão tomando decisões de compra com base no UGC de outras pessoas.” 

O projeto destaca o poder do UGC na jornada mais ampla do comércio eletrônico.

Conclusão

Em um momento em que a competição digital nunca foi tão grande, injetar visuais compráveis ​​gerados pelo usuário em cada ponto de contato com o cliente pode ajudar as marcas a romper um mercado barulhento, oferecendo conteúdo autêntico e prático para consumidores distraídos. 

Além disso, a grande abundância desses recursos visuais disponíveis gratuitamente tem o potencial de reduzir os custos de conteúdo e, ao mesmo tempo, resolver um dos maiores desafios de conteúdo que atormentam os profissionais de marketing hoje: produzir recursos visuais suficientes em um ritmo rápido o suficiente para acompanhar as demandas do marketing moderno.

Tornar o UGC o ponto focal de seu conteúdo comprável pode ajudar sua marca a criar conexões mais significativas com o público. Traz um maior nível de relevância, inclusão e personalização para pessoas que buscam experiências de compra autênticas e traz a realidade online – efetivamente levando-as do ponto de inspiração ao ponto de compra.

Como plataformas sociais e autoridades regulatórias pesaram várias considerações sobre como combater problemas com abuso online e manipulação coordenada, uma proposta que tem sido levantada repetidamente é a verificação de identidade pessoal e a possibilidade de tornar isso um elemento obrigatório na criação de uma conta de mídia social.

Essa ideia está ganhando força mais uma vez, com a celebridade britânica Katie Price lançando uma petição para fazer com que o Parlamento britânico inclua isso na lei, que rapidamente excedeu o requisito de 100 mil assinaturas para consideração parlamentar.

Petição de Katie Price

Conforme observado na proposta de Price, o impulso, se implementado, “tornaria um requisito legal ao abrir uma nova conta de mídia social, fornecer uma forma de identificação verificada”.

“Quando a conta pertencer a uma pessoa menor de 18 anos, verifique a conta com a identidade de um pai / responsável, para evitar atividades prejudiciais anonimizadas, fornecendo rastreabilidade caso ocorra uma ofensa.”

A motivação de Price é baseada em suas próprias experiências diretas de enfrentar abusos e ataques de pessoas online, e em ver o mesmo dirigido a seu filho adolescente Harvey, que sofre de síndrome de Prader-Willi,  um raro distúrbio genético que causa uma série de distúrbios comportamentais e impactos médicos. Price usa a mídia social para aumentar a conscientização sobre a condição de Harvey, que regularmente leva a torrentes de críticas, abusos e muito mais, dirigidos a ela e ao filho.

Superficialmente, a proposta faz sentido, e as plataformas têm se movido em direção a essa forma de verificação adicional, de alguma forma, em tempos mais recentes.

Após a campanha de eleições presidenciais dos EUA de 2016, na qual grupos sediados na Rússia visavam aos eleitores norte-americanos por meio de contas falsas e enganosas, o Facebook implementou novos regulamentos  que exigem que os anunciantes que veiculam anúncios políticos tenham um endereço de correspondência nos Estados Unidos.

O Facebook também lançou um programa de “Autorização de Publicação de Página”, que desde então viu os gerentes de algumas grandes páginas passarem por um processo de identificação obrigatório, a fim de confirmar suas informações, que o Facebook expandiu para perfis pessoais em maio do ano passado. O Instagram também implementou medidas semelhantes, com um sistema que exige que os proprietários dos perfis encontrados com comportamentos suspeitos estejam conectados para fornecer informações de identificação. 

Essas medidas seguem linhas semelhantes à proposta de Price, mas dizem respeito apenas a casos isolados identificados pelas equipes do Facebook, e não a perfis individuais, que, segundo o esboço de Price, são os causadores dos maiores prejuízos.

Ao expandir o mesmo para todas as contas, em todas as plataformas, vinculando assim uma identidade do mundo real à persona online de cada pessoa, a ideia é que as pessoas serão menos encorajadas a abusar e atacar as pessoas online, pois pode haver no mundo real, consequências jurídicas para tal. A constatação de que isso pode levar a penalidades e outros impactos pessoais poderia, de fato, atuar como um impedimento – mas uma questão fundamental é se é possível implementar e, em seguida, se realmente produziria o resultado desejado, como resultado de uma significativa atualização nos esforços de plataforma.

No primeiro elemento, há uma questão de saber se, digamos, o Facebook teria a capacidade de agora exigir que todos os seus quase 3 bilhões de usuários enviem documentos de identificação e os tenham verificado pela plataforma. Se isso fosse uma exigência desde o início, seria viável, mas a aprovação retrospectiva de tantas pessoas poderia ser problemática e cara, o que fará com que as plataformas resistam a tais chamadas. 

Também há uma questão de impacto nos negócios. O Facebook atualmente é capaz de relatar que tem 2,8 bilhões de usuários, o que é um grande atrativo para seu negócio de publicidade. Ele tem pouca motivação para reduzir ativamente esse número, o que a verificação de identidade para cada conta inevitavelmente faria – então faz sentido que as próprias plataformas procurem evitar essa medida, como uma condição operacional, de qualquer maneira que puderem.

Isso não quer dizer que não deva acontecer, mas você pode esperar que as próprias plataformas façam uma campanha forte contra isso – e talvez até insinuem que seria totalmente impossível, seja isso verdade ou não.

Isso leva à próxima consideração – tal requisito realmente funcionaria?

Em outubro do ano passado, a comissária de segurança eletrônica da Austrália Julie Inman-Grant observou que, mesmo que você exigisse que todas as pessoas apresentassem suas identidades, na maioria dos casos elas veriam, isso não teria muito impacto.

“Em muitos trolls adultos que vemos … [características de um troll] geralmente há alta auto-estima, sadismo e masoquismo – há muitos trolls que não estão interessados ​​em esconder sua identidade. Nem sempre vai ser um impedimento. “

Inman-Grant também observou que haveria “uma enorme resistência da liberdade civil nos Estados Unidos”, onde as implicações adicionais de vincular suas identidades online e offline podem levar a preocupações significativas em torno da liberdade de expressão e proteção pessoal. 

Essas leis reduziriam o abuso online, mas aumentariam a violência no mundo real? Essa é uma consideração muito real, em que as pessoas teriam a capacidade de descobrir onde cada usuário mora e, por extensão, suas informações pessoais adicionais.

E se essa informação chegar às mãos de funcionários do governo ou de outros grupos ativistas com motivação política? Existem implicações estendidas para proteger a identidade de, digamos, denunciantes e outros que podem optar por falar, e embora possa fornecer um nível de aplicação em alguns casos, também pode levar a impactos adicionais não intencionais como resultado de tal mudança.

Essas negativas em potencial superariam o ímpeto principal para tal mudança?

É impossível dizer, mas há indiscutivelmente uma lógica potencial suficiente contra tal movimento para não implementar leis de identidade em todas as áreas, que é provavelmente onde esse novo empurrão terminará.

Mas, novamente, algo deve ser feito – e, de fato, tais considerações fizeram parte das recentes discussões do Twitter sobre mudanças em seu processo de verificação de conta, antes de estabelecer suas novas regulamentações. 

É algo que todas as plataformas sociais estão considerando, mas se é realmente uma solução, como tal, permanece uma questão.

Vamos esperar para ver o que acontece com esta última proposta no Reino Unido.

A eficácia é ideal em tudo o que nos propomos a fazer, e no marketing não é diferente. Mas para entender melhor a importância dela em nossas estratégias, primeiro vamos diferenciar eficácia e eficiência, afinal muitos ainda confundem esses dois conceitos – que apesar de parecidos, não são a mesma coisa. 

Eficácia se refere a fazer o que deve ser feito, alcançar os melhores resultados. Nela, os meios não são considerados, e sim os fins. Na administração, ser eficaz é usar os recursos disponíveis para chegar às melhores conclusões. Já na eficiência, a ênfase está nos meios – ela dita que as coisas devem ser feitas da melhor forma, ou seja, otimizar os recursos. Aqui o foco é o rendimento do processo. 

Unindo os dois conceitos temos a efetividade, que é quando chegamos aos melhores resultados com o menor custo. Infelizmente nem sempre é possível ter estratégias efetivas, o que leva a gestão de marketing a analisar a situação e optar pela eficácia ou eficiência. 

Quando temos a eficácia em foco, trabalhamos para aumentar os ganhos, sem necessariamente economizar os recursos disponíveis. Entender a eficácia do marketing é muito importante pois significa entender se os esforços e investimentos estão se direcionando corretamente para atingir os objetivos desejados. 

A análise: 

Algum tempo atrás os profissionais de marketing não tinham um feedback de campanha tão completo como temos hoje. Era possível trabalhar com o perfil do público, havia uma estimativa de alcance dos veículos como televisão, rádio, revistas e etc. Atualmente temos a vantagem – proporcionada pelo marketing digital – de saber detalhes do direcionamento de nossas campanhas, como quantas pessoas viram um anúncio e compraram a partir do mesmo. Analisando a eficácia das suas estratégias você contribui para o crescimento do seu negócio, dessa forma, não aproveitar toda a revolução que é poder mensurar os resultados dos seus esforços pode ser um grande desperdício – inclusive de dinheiro. Porém, essa análise não pode ser feita de qualquer maneira, é preciso analisar as métricas certas. 

Como medir:

As métricas de eficácia medem o alcance de resultados – ou seja, o quanto as estratégias estão contribuindo para levar aos objetivos. Nesse sentido, é preciso priorizar os indicadores de resultados – o que também significa deixar de lado as métricas de vaidade (como o número de likes em um post no Facebook),  que por sua vez não provam nada sobre a eficácia do marketing. 

Nesta análise, as métricas corretas estão diretamente relacionadas à qualidade de entrega, não aos custos. É possível utilizar algumas métricas como: 

  1. Número de pedidos ou vendas (em geral ou por canal de marketing);
  2. Receita Gerada (em geral ou por canal de marketing);
  3. Lifetime Value;
  4. Índice de satisfação do cliente;
  5. Taxa de recompra ou índice de fidelização do cliente; 
  6. Participação (Share of Market; Share of Mind; Share of Heart; Share of Voice).

Com elas você conseguirá identificar a eficácia dos esforços de marketing no alcance de seus objetivos estratégicos, e o que vai determinar se estes foram eficazes é a comparação entre os números alcançados e as metas definidas no planejamento do seu negócio – que, aliás, precisam ser metas plausíveis e realistas. Através desse parâmetro é possível observar quão perto dos objetivos seus esforços chegaram, ou até mesmo se os alcançaram. 

Pilares da Eficácia do Marketing:

Mas afinal, do que as estratégias de marketing precisam para serem eficazes? Confira abaixo: 

Qualidade de entrega: 

Já que o foco são os fins, uma estratégia eficaz precisa entregar resultados excelentes, mesmo que os caminhos para isso não sejam necessariamente rápidos ou econômicos. 

Maximização de uso dos recursos 

Economia não é uma preocupação, portanto é preciso aproveitar todos os recursos disponíveis e necessários para realizar uma entrega de qualidade, maximizando os lucros. 

Planejamento e estratégia

Estes são pilares muito importantes, pois sem eles não é possível estabelecer os objetivos e metas do seu negócio – muito menos observar se chegou aonde gostaria. Portanto, você apenas terá eficácia no marketing se tiver planejamento e estratégia. 

Qualidade dos dados

Os dados são ferramentas que permitem tomar decisões, traçar e avaliar estratégias, além de direcionar investimentos. Por isso é fundamental que eles sejam precisos e confiáveis, agregando inteligência para sua estratégia de marketing. 

Dicas para melhorar a eficácia do marketing

  1. Defina metas e indicadores no planejamento 

Como dito anteriormente, não há como atingir metas sem antes defini-las. É no planejamento de marketing que a definição das metas deve ocorrer, com a escolha de indicadores que possam dizer se elas foram atingidas. Também é preciso que as metas sigam o modelo SMART, sendo assim específicas, realizáveis, mensuráveis e com prazo definido – isso oferece clareza para a equipe de marketing.

  1. Alinhe objetivos de marketing e objetivos da empresa 

Os objetivos da empresa e de marketing devem estar sempre alinhados porque, caso contrário, as estratégias de marketing podem caminhar na direção errada – o que não é nada eficaz. O que mostra o valor do marketing é sua capacidade de resolver os problemas certos para a empresa, portanto ele precisa estar empenhado nos mesmos objetivos que ela. 

  1. Aproveite as oportunidades

Segundo Peter Drucker – grande autor de marketing e gestão – gestores eficazes estão focados nas oportunidades, não em problemas. 

O mercado está sempre cheio de problemas e oportunidades, principalmente em situações de transformações sociais. O que faz a diferença é saber para onde direcionar os seus esforços. Isso não quer dizer que os problemas não devem ser resolvidos, apenas que eles não trazem resultados. O marketing eficaz explora oportunidades para maximizar a utilização de seus recursos e aumentar os ganhos da empresa. 

  1. Escolha os canais prioritários 

O uso de recursos também precisa ser bem pensado. É preciso analisar os canais de investimento, averiguando seus resultados e vantagens. Através de uma análise de dados é possível perceber quais os canais mais vantajosos para o seu negócio, e assim investir mais neles. 

  1. Modelos de atribuição

Os modelos de atribuição servem para atribuir a responsabilidade por uma conversão aos diferentes canais de marketing que participam do processo, ou seja, é possível saber qual canal de marketing é responsável pela venda – como anúncios no Google por exemplo. 

Os créditos pela venda podem ir para apenas um canal como para todos, de maneira igual ou não. Identificando a contribuição de cada um, você pode direcionar seus esforços e investimentos para os canais mais eficazes. 

  1. Mire no público certo

Este certamente é um dos pontos mais importantes: direcionar as estratégias para quem tem potencial de se envolver com a sua marca e representa uma oportunidade real de negócio, afinal, não adianta ganhar visibilidade junto a um público que não se interessa pelos seus produtos ou serviços. 

Esforços como pesquisas de mercado, segmentação de públicos e criação de personas permitirão que o marketing da sua empresa se direcione para o público correto e se comunique com ele de maneira eficaz. 

  1. Utilize ferramentas de automação 

As ferramentas de automação servem para transformar ações manuais em automáticas através de regras e gatilhos pré-definidos, o que é muito prático e vantajoso, já que atividades manuais tendem a ser passíveis de erros e também costumam ser demoradas, e isso pode gerar prejuízos. 

  1. Foque nos leads qualificados 

Neste ponto é muito importante o alinhamento entre equipe de marketing e equipe de vendas, isso porque não se deve perder tempo com leads que não dão retorno. Para isso, a troca de informações entre os dois times precisa ser efetiva, focando em reais oportunidades de negócios. 

Conclusão 

Vale a pena se concentrar primeiro na eficácia do marketing, depois na eficiência. Ajustar o marketing e os objetivos da sua empresa abrindo os olhos para as métricas da eficácia pode melhorar significativamente os resultados do seu trabalho. 

Você está considerando seu plano de ataque nas redes sociais para o ano que vem? Quer saber as melhores plataformas de mídia social para ajudá-lo a expandir sua pequena empresa?

Compartilhamos com vocês as estatísticas que você precisa saber sobre cada rede social neste infográfico.

Aqui está a lista:

  • o Facebook
  • Instagram
  • TikTok
  • Pinterest
  • Reddit
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Snapchat

Confira o infográfico para mais detalhes.

*Observação: as estatísticas de MAU abaixo não refletem os números mais recentes informados pelas plataformas neste mês. Os números do Snapchat também são DAU.

Estatísticas de uso de plataforma de mídia social

Uma versão deste post foi publicada pela primeira vez no blog Red Website Design .