Main menu

Skip to content

Estamos entrando em uma nova fase de regulamentação das mídias sociais?

O governo dos EUA fez uma série de anúncios significativos na semana passada que podem acabar tendo grandes impactos sobre como as plataformas de mídia social operam, incluindo potenciais limitações e restrições sobre o que as plataformas digitais podem fazer em relação à compra de outras plataformas, operação de seus negócios de publicidade, utilização de usuários dados e muito mais.

Na sexta-feira, quatro projetos de lei separados foram apresentados à  Câmara dos Representantes, todos visando vários elementos dos grandes monopólios de tecnologia.

Conforme relatado pela Reuters, essas quatro contas poderiam potencialmente ver: 

  • Uma lei contra plataformas que dão preferência a seus próprios produtos em suas plataformas. Por exemplo, o Google não seria mais capaz de promover seus próprios produtos em pesquisas, a Apple não teria permissão para dar preferência à Apple Music em vez do Spotify etc.
  • Uma restrição para fusões de negócios no setor de tecnologia, a menos que o adquirente possa demonstrar que a empresa adquirida não estava em concorrência com nenhum produto ou serviço que a plataforma já oferece. O Facebook não teria permissão para adquirir o WhatsApp ou Instagram sob esta disposição.
  • Proibição de plataformas digitais com subsidiárias que operam em sua plataforma, se essas subsidiárias competirem com outras empresas. Isso visa reduzir o comportamento preferencial e pode potencialmente forçar a venda de certos elementos. 
  • Melhoria da portabilidade de dados do usuário, com plataformas sob obrigação legal de permitir que os usuários transfiram seus dados para outro lugar, se quiserem, incluindo para uma empresa concorrente.

Um projeto de lei separado também daria à Divisão de Antitruste do Departamento de Justiça um aumento significativo no financiamento, a fim de ajudá-la a impor processos antitruste, como os que estão atualmente em andamento contra o Facebook e o Google.

Na verdade, sempre há casos antitruste em andamento contra os gigantes da tecnologia, e o aumento do financiamento ajudaria a resolver essas questões pendentes e financiar investigações adicionais.

Se esses projetos forem aprovados, ou mesmo se alguns deles forem aprovados, isso colocará uma nova série de restrições sobre como os gigantes da tecnologia podem operar, enquanto outras investigações também estão em andamento na Europa e em outras regiões em torno de potenciais restrições ao compartilhamento de dados. devido a preocupações sobre o possível uso indevido por governos estrangeiros.

Isso também ocorre quando o governo dos EUA continua a examinar as implicações do compartilhamento de dados com a China, que inclui plataformas digitais de propriedade chinesa, e pode acabar impactando o TikTok em algum estágio, bem como o WeChat. Embora o TikTok tenha conseguido evitar uma proibição nos Estados Unidos no ano passado, depois que o governo Trump tentou forçá-lo a se tornar propriedade dos Estados Unidos, ele ainda pode enfrentar um potencial fechamento nos Estados Unidos, dependendo das tensões acirradas entre os EUA e a China.

Juntos, esses elementos podem forçar grandes mudanças no cenário do marketing digital e será importante para qualquer pessoa que trabalhe no setor tomar nota e se preparar para as mudanças como resultado. 

Embora, na verdade, esses movimentos não sejam uma grande surpresa.

Dada a ascensão das mídias sociais e o papel-chave que agora desempenham em nosso processo interativo diário, parece um tanto inevitável que, em algum estágio, novas regras sejam introduzidas para reinar no poder do Facebook e da empresa, especialmente como As plataformas estão cada vez mais sendo solicitadas a pesar em coisas como censura política, e suas redes são seres usados ​​para influenciar mudanças globais massivas.

Essa última nota pode parecer um exagero, mas com grupos estrangeiros e financiados pelo governo buscando influenciar a resposta dos eleitores fora de suas próprias fronteiras por meio de aplicativos sociais, e os políticos cada vez mais se apoiando no Facebook e no Twitter, em particular, como uma linha direta com seus constituintes, permitindo-lhes, entre outras coisas, lançar dúvidas sobre a cobertura da mídia convencional, é muito claro que a mídia social está de fato causando mudanças sísmicas no cenário político.

Se a ascensão do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nos mostrou algo, é que a mídia social agora é a plataforma principal para se conectar com o público em escala e em tempo real – e com 71% das pessoas agora recebendo pelo menos parte de suas notícias de plataformas de mídia social, e aumentando, isso só vai se tornar mais significativo.

Isso já assustou vários funcionários do governo e legisladores, enquanto o recente banimento de Trump do Facebook, Twitter e YouTube também levantou mais preocupações sobre a censura política e o fato de que as decisões sobre quem pode ou não ter uma plataforma pública agora estão sendo tomadas por tecnologia CEOs no Vale do Silício. Isso dá à empresa privada controle direto sobre um elemento da política, o que, concordando com a proibição de Trump ou não, é uma questão significativa.

É por isso que o Facebook tem clamado por regulamentação externa, e até mesmo formou seu próprio grupo regulador terceirizado, composto por um grupo diversificado de especialistas, para tratar de tais preocupações. A esperança do Facebook é que, ao mostrar como seu Conselho de Supervisão independente pode ajudá-lo a tomar tais decisões, isso poderia fornecer um novo caminho para uma regulamentação mais ampla e tirar essas decisões de suas mãos.

Essencialmente, o Facebook e outras plataformas também preferem que as regras não sejam definidas por suas equipes internas – mas dentro do processo atual, eles têm pouca escolha. Como tal, essas novas contas poderiam ser um passo à frente, mas, ao mesmo tempo, também limitariam a oportunidade do Facebook de crescer e se expandir ainda mais por meio de aquisições.

O que, na verdade, significa apenas que veremos mais funções de clone do Facebook, como Stories e Reels, e menos tentativas de comprar plataformas opostas, como WhatsApp e Instagram. 

Esse seria um cenário melhor? Quer dizer, provavelmente. Os clones do Facebook tradicionalmente não se saíram tão bem quanto os originais, o que deixa mais espaço para competição no setor. 

Mas de qualquer forma, as implicações aqui são significativas e podem desencadear grandes mudanças em todo o setor. Ainda há um longo caminho a percorrer, mas vale a pena ficar de olho em cada elemento dentro dessa mudança.

Fonte: Social Media Today

Postado por Ana Falkine em 21 de junho de 2021